quarta-feira, 27 de julho de 2011

A proposta do Pasha



Aquela noite soubemos que alguns Aretais estavam cercando o Oásis. Meu banho fora interrompido com a chegada da prometida do Pasha. Fui convocado para seguir com ele e seus homens e interceptarmos os inimigos. Os pegamos desprevinidos. Acredito que não esperavam que descobríssemos sobre eles. Me pergunto como o Pasha soube da presença dos Aretais. Talvez ele tenha mesmo a proteção dos Deuses como alguns andam a dizer por ai.
Parti para o meu Oásis, no dia seguinte, levando meus homens e alguma soma em dinheiro como pagamento pelo auxilio. Alguns dias depois recebi a visita do Pasha e sua prometida. Estavam indo para Tor mas queria me fazer uma proposta primeiro. Minha alinça em troca do comando de algumas tribos independentes que fossemos conquistar. Eliijah é um garoto novo, de poucas cicatrizes e grandes sonhos. Ele pretende unificar o Tahari. Confesso que nas palavras ele faz parecer possível e fácil. Mas eu conheço o brilho do aço banhado no orgulho dos Taharians. Aceitei a proposta, com uma ressalva. Eu queria a dançarina. A Kajira seda branca que ele me havia cedido para cuidar de minhas vontades quando estive no Kasbah. Ele refugou, relutou a respeito, Mas cedeu. Seu interesse militar falara mais alto.
A Kajira me foi entregue, ele seguiu viagem para Tor, afim de cuidar de seu contrato de Free Companionship.
A partir daquele dia eu a chamei de Opala. Tão preciosa e rara como a pedra e a água de meu Oásis. Opala me agradava em seu servir. Uma kajira bem treinada na arte do entretenimento e servir. Ainda precisava aprender algumas coisas a respeito dos meus gostos, mas aprenderá ao sabor do chicote, se necessário for.
Fora entregue as outras da tenda dos prazeres e preparadas por elas, sedas, cosméticos, jóias, tudo que era necessário para que a menina fosse bem apresentada, como uma display deve ser. Restava agora ensina-la na arte dos prazeres e eu a levaria para Turia com esse fim.
O Negreiro Erik cuidaria disso para mim. Em algumas viagens de negócios a Turia pude conversar e negociar a ida de Opala para sua casa negreira. Iria treina-la nas artes e sensações necessárias a uma escrava para ser perfeita.